Parto na água: benefícios e como funciona

Estudos confirmam que o parto na água no primeiro estágio do trabalho de parto reduz a dor e o uso de analgesia peridural sem evidência de risco para o bebê. No entanto, há casos em que a escolha do parto na água deve ser evitada.

Desde os tempos antigos, os seres humanos reconhecem a origem da vida na água. É um dos quatro elementos primordiais, além de suporte da criação (do Gênesis à mitologia hindu, ao Alcorão), é o símbolo da feminilidade, a mãe por excelência como geradora da vida. Em suma, a água representa a fertilidade: onde está presente, algo nasce.

Parto na água: história

O uso da água durante o trabalho de parto e parto vê nas experiências de Igor Charkovsky, pesquisador russo que na década de 1960 entendeu os benefícios dessa prática para mãe e recém-nascido, uma primeira proposta mais natural e menos dolorosa a ser promovida entre as gestantes. 

Nos mesmos anos, Frédérick Leboyer desenvolveu a prática mergulhando os recém-nascidos em água quente e tornando assim a sua passagem do ambiente intrauterino para o mundo exterior “mais doce”.

Na década de 1970, Michel Odent usou uma banheira de hidromassagem para aliviar a dor de mulheres grávidas no centro de parto Pithiviers, na França. Atualmente, no Brasil, existem muitos centros na nossa área que oferecem às mulheres a possibilidade de dar à luz na água.

Parto na água: os prós e contras

Agora vamos ver quais são as vantagens e desvantagens do parto na água.

Como já mencionado, o uso da água é considerado um bom método não farmacológico para controle da dor durante o trabalho de parto e, mais detalhadamente:

  • promove a produção e liberação de endorfinas (inibidores naturais da dor) e, portanto, promove maior relaxamento;
  • diminui o tempo de trabalho de parto e dá à mãe uma maior sensação de controle sobre seu corpo;
  • economiza energia;
  • reduz a demanda por drogas analgésicas e epidurais;
  • suaviza os tecidos e, portanto, reduz as lacerações perineais;
  • reduz a necessidade de suplementação de ocitocina sintética (provavelmente devido à ação sinérgica exercida em conjunto com movimentos e posturas).

Entre os benefícios do parto na água para a mãe está o fato de que a imersão facilita a liberdade de movimentos. A pélvis é de fato mais móvel e isso pode ajudar a corrigir qualquer mau posicionamento fetal e facilitar a descida do feto no canal do parto.

Os benefícios adicionais do parto na água são que a imersão confere à mulher maior intimidade, reduz inibições e medos e protege contra interferências externas.

Na fase prodrômica prolongada, a água relaxa e promove a recuperação de energia, principalmente em mulheres muito tensas e cansadas; o mesmo acontece no caso de trabalho de parto muito longo. No caso de contrações prolongadas e intensas, a água ajuda, como mencionado, a diminuir a dor e relaxar, e isso faz com que os hormônios do estresse (adrenalina) diminuam em favor da produção espontânea de endorfinas.

A água também tem efeitos hemodinâmicos importantes: a flutuação sustenta o peso da mulher reduzindo a oposição à gravidade, diminui a pressão abdominal na veia cava e na aorta, melhorando a circulação feto-placentária. A imersão do corpo em água também promove o aumento de um hormônio secretado pelas células atriais do coração, o hormônio natriurético, que ajuda a eliminar o sódio pelos rins (efeito natriurético) e aumenta a diurese, com consequente diminuição da pressão arterial.

Todos os benefícios do parto na água para a mãe também produzem benefícios e efeitos positivos no bebê. De fato:

  • a circulação fetal melhora na água; 
  • nascer na água representa uma transição mais gradual da vida intrauterina para a vida extrauterina;
  • os primeiros esforços respiratórios são facilitados pela umidade do ambiente aquático;
  • a água morna ajuda a manter a temperatura do bebê e evita a hipotermia.

Quem pode fazer?

Existem algumas indicações inconsistentes sobre a população de mães que podem optar pelo parto na água. Em princípio, esta opção pode ser considerada quando:

  • a gravidez é única e a termo;
  • os funcionários são treinados e em número adequado;
  • a assistência individual é garantida;

No entanto, é impossível escolher este modo se surgirem os seguintes casos:

  • gravidez pré-termo;
  • sangramento pós-parto prévio;
  • hiperpirexia materna (febre);
  • necessidade de monitoramento cardíaco-fetal contínuo se um monitor fetal subaquático não estiver presente;
  • sangramento vaginal;
  • parto-analgesia.

Nos casos listados abaixo, no entanto, a escolha do parto na água é uma opção improvável e que deve, em qualquer caso, ser cuidadosamente avaliada em conjunto com os especialistas:

  • swab vaginal positivo para GBS;
  • VBAC (parto vaginal após cesariana, ou parto vaginal após cesariana);
  • gravidez gemelar;
  • baile por mais de 24h;
  • líquido amniótico tingido de mecônio;
  • apresentação pélvica;
  • infecções na fase ativa (VHB, VHC, VÍRUS HERPES, COVID-19, em caso de positividade ou presença de sintomas);
  • indução com ocitocina.

Como funciona o parto na água?

Parto na Água

Vejamos abaixo em detalhes como ocorre o parto na água.

O ambiente possui as seguintes características:

  • é quente (entre 22° e 24°) e acolhedor;
  • o número de pessoas presentes é limitado;
  • revestimentos descartáveis ​​podem ser usados;
  • há um monitor para detectar o batimento adequado para uso na água e um termômetro para ser usado para detectar a temperatura da mãe e do líquido em que está imersa.

A temperatura da água deve ser escolhida pela gestante, mas não é recomendada uma temperatura superior a 38° (para o parto, recomenda-se uma temperatura em torno de 36°-37°). Ressalta-se também que o aumento da temperatura materna, devido à imersão em água muito quente, pode causar hipertermia fetal com aumento da necessidade de O2 e consequente diminuição das reservas para lidar com o estresse do trabalho de parto.

A banheira para parto na água pode ter várias formas e tamanhos, certamente não é recomendado que seja enchida com menos de 60 cm de água, isso para promover imersão suficiente do corpo, flutuabilidade e liberdade de movimento.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *