Candidíase: sintomas, causas e tratamento

Candidíase é uma infecção fúngica muito comum em mulheres, mas também afeta homens. O ginecologista explica as causas, sintomas e como tratá-la. 

A candidíase é uma infecção causada por fungos que afetam muito frequentemente uma mucosa. Embora existam diferentes tipos (como, por exemplo, a oral, conhecida como aftas), a candidíase vaginal é certamente a mais conhecida, pois ocorre pelo menos uma vez na vida, principalmente em mulheres em idade fértil (75%). 

A candidíase é uma patologia muito comum que afeta principalmente mulheres em idade fértil, mesmo que esta não seja a única categoria envolvida. Entre os mais interessados ​​estão:

  • imunossuprimidos (com deficiência no sistema imunológico);
  • aqueles que, por qualquer motivo, estão sendo tratados com antibioticoterapia;
  • pacientes com câncer submetidos a tratamentos de quimioterapia ou radioterapia;
  • mulheres na menopausa;
  • gestantes (variação hormonal favorece a replicação da cândida);
  • meninas/adolescentes que ainda não tiveram menarca;
  • diabéticos;
  • usuárias de duchas vaginais com pH neutro ou alcalino;
  • pessoas com condições estressantes.

Favorecida por condições como uso indevido de antibióticos, gravidez, imunossupressão, diabetes e má higiene íntima, a cândida vaginal é normalmente responsável por dor e coceira na vulva, dor durante a relação sexual e dor ou ardência durante a micção.

O exame físico e a anamnese geralmente são suficientes para o diagnóstico de candidíase vaginal; no entanto, em algumas situações, também são necessários testes diagnósticos mais aprofundados, como swab vaginal, exame de sangue ou urinálise.

O tratamento da cândida vaginal gira em torno do uso de antifúngicos disponíveis em creme ou na forma de comprimidos para uso oral ou vaginal.

O que é Candida vaginal

A candidíase vaginal é a infecção fúngica puramente feminina, que resulta da proliferação descontrolada, na vagina, do fungo Candida albicans.

 

Na maioria dos casos clínicos, a candidíase vaginal não é uma condição de saúde grave e perigosa para a mulher afetada.

A doença também é conhecida como candidíase vulvovaginal e candidíase vaginal.

As causas da candidíase

A candidíase vaginal surge quando faltam os mecanismos de defesa responsáveis ​​pelo controle da proliferação de Candida albicans nos genitais femininos.

Lembre-se que a Candida albicans é inofensiva ao corpo humano, desde que o sistema imunológico deste seja capaz de controlar sua proliferação.

Candida vaginal é uma doença sexualmente transmissível?

De acordo com a comunidade médica, embora possa surgir de relações sexuais com pessoas afetadas, a candidíase vaginal não deve ser considerada uma doença sexualmente transmissível (como sífilis ou herpes genital).

Candida vaginal: os sintomas

Os sintomas e sinais típicos de candidíase vaginal são:

  • Dor e coceira na vulva (entrada na vagina)
  • Dor ou desconforto durante a relação sexual (dispareunia);
  • Dor em picada ou queimação ao urinar (disúria)
  • Vazamento de fluido da vagina. Normalmente, este líquido é inodoro, branco e às vezes aguado, às vezes espesso.

Além disso, se a doença também envolver inflamação da área genital, o quadro sintomatológico é enriquecido com outras manifestações, como:

  • Vermelhidão da vulva e vagina;
  • Fissuras vaginais ;
  • Inchaço local
  • Feridas na pele muito dolorosas (muito raramente vistas).

Para algumas mulheres, a candidíase vaginal é uma condição recidivante/recorrente, ou seja, se repete de tempos em tempos; esta situação não é grave do ponto de vista clínico, mas pode ter repercussões significativas na qualidade de vida sexual do paciente.

Além disso, se afetar mulheres em estado de imunossupressão ou com doenças específicas (por exemplo, diabetes), a candidíase vaginal pode degenerar em uma condição sistêmica, conhecida como candidíase invasiva (ou candidíase invasiva).

A cândida invasiva é a infecção resultante da passagem do fungo Candida albicans (fungemia ou fungemia) para o sangue e sua disseminação para órgãos importantes, como o coração (endocardite), o cérebro (encefalite), os olhos (endoftalmite) ou o ossos (osteomielite).

A candidíase invasiva pode ser fatal para o paciente, portanto representa uma emergência médica, que deve receber ajuda imediata.

O que fazer em caso de Candida vaginal recorrente

Geralmente, as mulheres que sofrem repetidamente de candidíase vaginal são pessoas em risco (por exemplo: diabéticos), cientes da razão por trás da recorrência da infecção.

Quando este não for o caso, no entanto, devem ser submetidos a exames diagnósticos, para descobrir o motivo dos episódios repetidos de candidíase vaginal; os exames diagnósticos indicados incluem: exame de sangue, urinálise e swab vaginal.

O tratamento baseia-se sobretudo no uso de antifúngicos, ou seja, medicamentos com poder antifúngico específico; em segundo lugar, prevê uma atenção especial à higiene pessoal e à abstenção temporária da atividade sexual.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.